EDITORIAL

EDUCAÇÃO
É O QUE NÓS
ACREDITAMOS


A edição de número 29 do Simineral ON trata de um tema muito caro aos brasileiros: a educação. De acordo com o 10º Anuário Brasileiro da Educação Básica, uma iniciativa do Todos Pela Educação, o Brasil começou o ano passado, período ainda anterior à pandemia de Covid-19, com 9% a menos de matrículas em tempo integral na educação básica, em comparação com o ano de 2019. Entre outros destaques, a publicação diz que Estados e Municípios apresentaram “forte e preocupante” redução em suas despesas com Educação.

Nesses tempos em que a retomada presencial das atividades escolares é uma realidade em muitos estados brasileiros, como o Pará, o Simineral, que sempre desenvolveu projetos em parceria com as secretarias de educação, seja de estado ou municípios, também discute este tema tão relevante. A educação é um caminho que avaliamos como inegociável para o desenvolvimento da sociedade. Neste sentido, apresentamos cases de sucesso de empresas que fazem parte do setor mineral e apoiam projetos em prol da educação básica nas comunidades onde atuam, a fim de inspirar e estimular outros setores e instituições a também criarem mecanismos de apoio à educação.



Anderson Baranov,
Presidente do Simineral

PODCAST

SIMINERAL
OUVE TITULAR
DA SEDUC

O podcast do Simineral ON do mês de agosto entrevistou a Secretária de Estado de Educação do Governo do Pará, Elieth de Fátima Braga, para falar sobre a retomada das atividades escolares presenciais no estado. Na entrevista, a Secretária falou sobre as dificuldades enfrentadas com o ensino remoto em um estado de grandes dimensões como o do Pará.

Falou também sobre outros desafios da educação em tempos de pandemia, agradeceu ao esforço dos professores, falou sobre as soluções para reverter o quadro de evasão escolar no estado e explicou como deve funcionar a retomada escalonada das atividades escolares presenciais no Pará.

OUÇA O PODCAST

ARTIGO

EDUCAÇÃO
CONECTADA

Por Maria Betânia Fidalgo Arroyo.



O meio digital é o grande aliado no processo de aprendizagem. A internet, os dispositivos móveis e a tecnologia garantem esse acesso amplo. É o momento da educação ubíqua, educação em todo o lugar, em todo tempo, respeitando os vários ritmos e as formas diversas de entrar em contato com a informação, processando para que vire conhecimento, nos deparamos com as multi possibilidades de utilização simultânea dos espaços on-line e off-line para a aprendizagem. A educaçãoa tual tem apresentado reconfigurações e outras formas de aprendizagem. Um ensino pautado nas multiplataformas, no casamento dos espaços presencial e digital, das mídias ativas, do ensino remoto, simultâneo e do híbrido. Nesse contexto, o professor deste século não é mais um mero transmissor de informações,nem o detentor do conhecimento. Precisa interagir com outras disciplinas e produzir conhecimento junto com outros professores. Deve estar em sintonia com os anseios do aluno e estimulá-lo a questionar, debater e romper paradigmas – desaprender para reaprender enquanto ensina. Então, o que (ou quem) é o professor 5.0? Alguém como perfil do educador do século 21 está em constante MUDANÇA, teórica e idealmente; em que há alguns anos vem se falando em PROFESSOR 3.0, rapidamente passando para PROFESSOR 4.0. E para além: enquanto a sociedade idealiza o PROFESSOR 5.0. O que (ou quem) é o professor 5.0?

" Durante muito tempo, os professores tiveram de se submeter a um sistema educacional extremamente formatado, com tempo e materiais definidos a serem cumpridos. Agora, há uma oportunidade única de INOVAR, pois a estrutura formatada que existia antes foi por água abaixo." (Vinicius Freaza)

Nesta nova era, o professor assume papel de facilitador e as aulas integrarão não mais uma, mas todas as disciplinas, que serão aprendidas por meio de CASES E EXPERIÊNCIAS REAIS, em que professor inspira e aluno lidera. Por isso, a demanda por novos modelos de ensino e de aprendizagem é premente. O Perfil do Professor 5.0, ainda destaca, a cultura de pensar muito além da apostila é fundamental nesse cenário; O professor 5.0 precisa ser capaz de ensinar a ter pensamento crítico e sensibilidade para com os diferentes tipos de alunos, o olhar humano e a capacidade de trabalhar com as questões socioemocionais mesmo em áreas aparentemente tradicionais.



Nesse contexto, aponto o Ensino Híbrido não como uma modalidade, e sim uma metodologia, trazendo a base conceitual em grandes teóricos:

" Trata-se de uma abordagem metodológica, na qual o aluno aprende por meio do ensino on-line com algum elemento de controle sob tempo, lugar, modo e ritmo que o estudante aprende em uma localidade física supervisionada." (Prof.a Lilian Bacich)

" O que acontece em sala de aula deve interagir com o que acontece no ambiente virtual. Como peças de um quebra-cabeça, se complementam para fazer parte de um todo." (Prof. Fernando Trevisane)

"A aprendizagem, longe de ser o resultado de uma transmissão de conhecimentos, implica uma verdadeira atividade de conhecimento." (Piaget)

"Aprender significativamente é ressignificar e ampliar as ideias já existentes e com isso ser capaz de construir novos conhecimentos." (Ausubel)

Logo a Ressignificação da Aprendizagem em que a sala de aula multifuncional, criativa e descontraída; a construção do conhecimento de forma dinâmica e significativa; a sala de aula multifuncional, criativa e descontraída; a construção do conhecimento de forma dinâmica e significativa; e exigência de planejamento e feeling para incorporar estas concepções de aprendizagem em seu cotidiano.
Por fim, aponto para as inovações que devem ser elaboradas de modo que atendam às necessidades dos alunos e alunas. Essa é a nova era da educação, vamos nos conectar.

Maria Betânia Fidalgo Arroyo é Membro da Academia Paraense de Letras; Reitora na Universidade da Amazônia; e Presidente do Conselho Estadual de Educação CEE/PA.

DESENVOLVIMENTO SOCIAL

A CONTRIBUIÇÃO
DAS ESTAÇÕES CONHECIMENTO

As Estações Conhecimento (EC) são espaços que oferecem atividades de educação, cultura e esporte para crianças e adolescentes de 6 a 17 anos, no contraturno escolar. Seus projetos político-pedagógicos e suas programações são pensados para contribuir com o desenvolvimento integral das pessoas atendidas, fomentando a criatividade e a inovação, e fortalecer a articulação de parcerias entre entes públicos e a sociedade civil, valorizando as características de cada região. Hoje, em Marabá e em Tucumã, no sudeste do Pará, as Estações atendem mais de 1500 crianças e jovens inscritos nas atividades regulares, além de fazer atendimentos a comunidades vizinhas e familiares das crianças e jovens. No município de Tucumã, por exemplo, a Estação Conhecimento é um importante equipamento no território na promoção de Esporte, Cultura, Educação, saúde e promoção social; o teatro da EC Tucumã leva lazer e cultura para toda cidade, exibindo peças teatrais e filmes; em virtude do período de pandemia, a Estação vem fornecendo atendimento através das assistentes sociais e atividades online em educação, esporte e campanhas em saúde através de lives e, desde o início da pandemia, as 221 famílias cadastradas recebem mensalmente kits alimentares. Para a Fundação Vale é sua missão “contribuir para o desenvolvimento social dos territórios onde a Vale atua, por meio do apoio à educação, promoção da saúde básica, garantia de direitos e fomento de negócios sociais, fortalecendo as potencialidades das comunidades e respeitando as identidades locais”.



EM PARAGOMINAS

TERRITÓRIO DO SABER
APOIA RETORNO ÀS
AULAS PRESENCIAS

Além de apoiar a melhoria da educação em Paragominas, o programa Território do Saber está atendendo a demanda de acolhimento da rede escolar no retorno gradual em sistema híbrido de ensino, com um espaço virtual chamado “sala do cuidado” para formação de redes de integração e de conversa sobre os desafios do momento. Realizada pela Hydro, em parceria com a Secretaria Municipal de Educação de Paragominas, a iniciativa também atua em outras frentes como a formação de professores, apoio pedagógico e oficinas temáticas.

Este ano, estão em andamento sete cursos em formato online, com a participação de 308 profissionais, nas áreas de aperfeiçoamento em: educação infantil, educação integral, escola no século XXI, educação especial. Além de curso livre de formação de liderança e gestão da mudança e especializações em: educação de jovens e adultos, ensino de língua portuguesa e matemática. Em 2020, o programa capacitou mais de 500 profissionais da rede municipal de ensino de Paragominas.

“O acolhimento em um espaço para troca de ideias sobre as soluções para escola nesse momento passou a ser algo fundamental no programa. Para Hydro, o diálogo aberto e transparente é uma das premissas de atuação nos municípios onde opera e contribuiu aos resultados positivos do Território do Saber”, comenta a gerente sênior de Programas Sociais da Hydro, Luana Carvalhosa.

PROGRAMA ECOA

INSTITUTO ALCOA E
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO
RENOVAM PARCERIA

Acreditando na capacidade que a educação tem em ser um fator central para o desenvolvimento dos territórios e diminuição das desigualdades, o Instituto Alcoa renova a parceria com a Secretaria Municipal de Educação para realização do Programa Ecoa.

Em 2020, o Programa Ecoa inaugurou um novo formato de interação com as localidades atendidas, abrindo duas novas frentes de atuação: Ecoa Formação (capacitação das equipes técnicas e educadores frente o contexto da pandemia) e Ecoa Gestão (capacitação em gestão das equipes das secretarias de educação e coordenadores pedagógicos nos três municípios atendidos: Juruti (PA), Poços de Caldas (MG) e São Luís (MA).

Este ano, o Ecoa Gestão segue contribuindo para a melhoria da aprendizagem dos estudantes do Ensino Fundamental público de 67 escolas públicas brasileiras, atuando junto às equipes da Secretaria Municipal de Educação e aos gestores escolares e coordenadores pedagógicos no apoio à implantação e monitoramento do Plano Estratégico e elaboração de Planos de Ação de gestão escolar nas unidades participantes. O parceiro técnico nessa frente é a empresa Interação Urbana.

Já o Ecoa Formação tem como objetivo desenvolver ações pautadas no diagnóstico, na análise e na ação pedagógica de forma a incidir sobre as desigualdades educacionais e garantir patamares superiores de qualidade de acesso, de permanência e de aprendizagem nas trajetórias dos estudantes das redes públicas dos três municípios atendidos pelo programa.

LEIA MAIS

AÇÕES SOCIAIS

EM 11 ANOS, INSTITUTO AÇO CEARENSE
JÁ INVESTIU MAIS DE R$ 17 MI

Todos os anos, no mês de julho, Juruti celebra a cultura e as tradições dos povos indígenas em um dos maiores espetáculos a céu aberto do Pará: o Festival das Tribos (Festribal). Devido a pandemia da Covid-19 e as necessárias medidas de distanciamento social, o evento não foi realizado em 2020 e, também, não será realizado neste ano. Apesar disso, a Alcoa sempre esteve presente, apoiando o Festribal, por meio de leis e editais específicos de incentivo à cultura, como a Lei Rouanet.

O Festribal, considerado Patrimônio Cultural do estado, iniciou em 1986, com a apresentação de bois bumbás, cordões de pássaros, quadrilhas e carimbó. Atualmente, acontece sempre durante o mês de julho. Durante quatro dias, Juruti, município com 58.960 habitantes (IBGE, 2020), se transforma em uma grande arena multicolorida, representadas pelas tribos Munduruku e Muirapinima.

Durante este período, estima-se que a cidade receba em média 20 mil visitantes, que ajudam a movimentar a economia, principalmente os setores de turismo, alimentação e transporte. Eles se juntam aos moradores e passam a fazer parte de duas grandes torcidas, identificadas pelas cores amarelo e vermelho (Munduruku) e azul e vermelho (Muirapinima), numa disputa sadia que envolve os artistas e a plateia.

LEIA MAIS

BOLETIM ECONÔMICO

EXPORTAÇÃO
MINERAL TEM
ALTA DE 76%



A evolução histórica dos Direitos Fundamentais carrega a afirmação dos direitos calcados nos princípios da liberdade, igualdade e solidariedade. Os primeiros, no âmbito das liberdades públicas, são construídos sob o binômio dos Direitos Civis e Políticos, enquanto os da segunda dimensão são enlaçados pela necessidade dos direitos prestacionais de cunho social, econômico e cultural; ainda, e não por último, a terceira dimensão de direitos tem na solidariedade ou fraternidade o ambiente mais geracional de proteção dos direitos difusos, como os do meio ambiente – para ficarmos em apenas um exemplo – como um desafio perene na interface dialógica da sociedade global.

NO DIA A DIA

A MINERAÇÃO
TÁ EM TUDO